Friday, 28 June 2013

Selvagens - 21° ao 30° Capítulo

Selvagens (Savages)

Don Winslow





21


O mundo do vinho se divide basicamente em tinto e branco. (Não vamos nos estender nisso — o pessoal do vinho é quase tão odioso quanto doidões de metanfetamina. Toda grande sessão de degustação de vinhos deveria terminar com arsênico.)
O mundo da cânabis é basicamente dividido entre indica e sativa.
Resumidamente, as indicas têm um volume maior de CBD que de THC, e as sativas, o contrário.
Entendeu?
Não, a não ser que você seja maconheiro, você não entendeu, então aí vão algumas definições (e não, não haverá um questionário no final, porque estamos falando de doidões):
CBD é a sigla de uma substância vegetal chamada canabidiol. THC é o acrônimo para uma substância vegetal chamada tetraidrocanabinol, também conhecida como delta-9-tetraidrocanabinol.
A não ser que você seja Ben ou Chon, não precisa saber essa merda, mas para compreender a Ben e Chonny’s você precisa entender que as misturas de cânabis tipo indica — mais CBD, menos THC — dão um barato sonolento, pesado, relaxante. As sativas — mais THC, menos CBD — deixam seu cérebro e seus genitais realmente ligadões.
Você pode colocar isso em termos de energia:
Indica = pouca energia. Você vai se jogar no sofá e apagar com qualquer coisa que esteja passando na TV porque mudar de canal exige esforço demais.
Sativa = muita energia. Você vai queimar os miolos no sofá e inventar a mecânica do moto contínuo, ou pelo menos tentar fazer isso enquanto retoca a pintura da sala.
Assim, da mesma forma como connaisseurs de vinho tagarelam sem parar sobre este merlot, aquele beaujolais, produzido a partir dessa ou daquela maldita uva, maconheiros também vão se empolgar com diferentes misturas de indica e sativa — em função do gosto, do aroma, mas principalmente do efeito. E descobrir a mistura perfeita de indica e sativa que se ajusta ao paladar individual é a arte de um mestre cultivador.
Assim como um grande vinho começa com a uva, um grande bagulho começa com a semente.
A saber, a Viúva Branca.
A cânabis produzida a partir da semente de Viúva Branca é a mais forte do mundo.
O botão dessa linhagem tem 25 por cento de THC — o velho delta-9 está quase transbordando dele.
Cara, difícil de conseguir, difícil de plantar, mas…
Vale a pena.
Então, depois da última excursão de Chon à Istãolândia ele voltou para casa com…
Uma grave FTEPT
Uma burca para O. usar em ocasiões especiais e
Um punhado de sementes de Viúva Branca.


22

Dar sementes de Viúva Branca a Ben foi como dar pincéis e um teto em branco a Michelangelo e dizer:
É todo seu, camarada.
O que Ben fez foi pegar a Viúva Branca e fazer cruzamentos cuidadosos até a semente ficar ainda mais forte. George Washington Ben Carver criou uma semente Frankenstein, uma semente X-Men mutante, uma aberração genética de semente.
Era uma planta que podia praticamente acordar, sair andando, achar um isqueiro e se acender. Ler Wittgenstein, ter conversas profundas com você sobre o sentido da vida, ajudar a criar uma série de TV para a HBO, levar a paz ao Oriente Médio (“Os israelenses e os palestinos poderiam coexistir em dois universos paralelos, partilhando o espaço, mas não o tempo”). Era preciso ser um homem forte — ou uma mulher forte, no caso de O. — para dar mais de um tapa na Viúva Branca Ultra.
Partindo daí, Ben começou a criar diferentes misturas de indica e sativa, todas inacreditavelmente fortes, e podia personalizá-las para cada cliente. Os quais cresceram progressivamente em número à medida que a notícia se espalhou. O que quer que você desejasse sentir ou não sentir, Ben e Chon tinham o bagulho certo para você.
Uma, depois cinco, e então dez, trinta estufas, todas produzindo maconha de primeira linha.
Eles se tornaram quase figuras míticas.
Surgiram seguidores tão devotados, com uma lealdade tão religiosa, que eles chegaram mesmo se autoatribuir um nome.
A Igreja dos Santos Dias mais Leves.


23

No que diz respeito à Guerra às Drogas, Ben é um pacifista convicto.
Um Dissidente Inconsciente.
Simplesmente se recusa a participar.
— Se um não quer, dois não brigam, e eu não estou querendo — diz ele.
De qualquer modo, ele não acredita que haja uma Guerra às Drogas.
— Há uma Guerra às Drogas Potencialmente Produzidas e/ou Consumidas por Pessoas de Cor — concede Ben.
Drogas Brancas (álcool, tabaco, remédios): negocie o suficiente delas e você pode passar a noite no quarto de Lincoln. Drogas Negras, Drogas Marrons, Drogas Amarelas (heroína, crack, maconha): você é apanhado e acorda toda manhã em sua cela.
Chon discorda. Ele não acha que seja muito uma coisa racial, é mais uma coisa freudiana. Acha que tem uma ligação com vergonha anal/genital.
— Tem a ver com hemisférios — diz Chon em um belo dia californiano, de pé no deque de Ben dando um tapa. — Olhe para o globo e faça uma analogia com o corpo humano. O hemisfério Norte é como a cabeça, o cérebro, o centro da atividade intelectual, filosófica, do superego. O hemisfério Sul é lá embaixo, perto da virilha e do ânus, é onde fazemos todas aquelas coisas sujas, vergonhosas e prazerosas do id. Onde é produzida a maior parte de suas drogas ilícitas (saca a palavra, B., “ilícitas”).
Naquele nojento do hemisfério Sul, hemisfério de pau, vagina e cu.
— Mas onde é consumida a maior parte dessas mesmas drogas? — retruca Ben. —
Na sua região cerebral, moral, do superego.
— Exatamente — responde Chon. — Por isso precisamos das drogas.
Ben reflete sobre isso por um looooongo tempo, e depois
— Então você está dizendo que se todo mundo desse umas boas cagadas e trepasse muito não haveria abuso de drogas.
— E nada de guerra — acrescenta Chon.
— Estaríamos nós dois sem trabalho.
— Isso.
Eles riram por um bom tempo.


24

Stan e Diane nunca perguntaram, nunca perguntam, como seu menino ficou tão rico. Isso eles não questionam nem tentam analisar. Não fazem a autópsia financeira de como um cara de 25 anos compra uma casa de 4 milhões de dólares em Table Rock.
Orgulham-se dele.
Não por isso, mas por sua conscientização social.
Sua consciência social.
E conscienciosidade.
Seu ativismo de Terceiro Mundo.


25

O que (mais ou menos) explica onde Ben está agora.
Certo, Chon não sabe exatamente onde Ben está agora, o que, com cabeças cortadas girando na blogosfera, o incomoda um pouco, mas…
… o garoto tem mesmo uma tendência a cuidar dos problemas das outras pessoas em vez de cuidar dos seus. Ben tem o que eles chamam de consciência social. Um camarada muito atento, progressista. Chon gosta disso nele, mas…
… o cara costuma dar uma de Houdini a cada poucos meses, salvando algum grupo de pessoas de alguma coisa. Poços para prevenir cólera no Sudão, mosquiteiros para salvar da malária as crianças da Zâmbia, equipes de observação para impedir o exército de massacrar os karen em Mian-mian-mian-mar.
Ben distribui sua riqueza.
Chame do que quiser
Fundação Ben.
Instituto Hidro.
Bagulho Que Faz
Erva Verde
Chon tenta dizer a ele que basta mandar o dinheiro; deixe que a grana viaje, fique aqui e cuide dos negócios. Mas Ben é um sujeito atuante. Diz que dinheiro não é o bastante, você tem que empenhar seu coração, sua alma e seu corpo. Ben investe seu dinheiro naquilo em que acredita, então…
… a cada dois ou três meses ele volta para Table Rock com disenteria…
… malária e/ou…
… dor de cotovelo do Terceiro Mundo…
(que Chon conhece bem)
… e Chon e O. o levam aos melhores médicos no instituto Scripps e o deixam bem até ele encontrar outra causa, quando então…
Ele surta de novo.
E sai para resgatar crianças de braços pequenos, olhos grandes e barrigas inchadas.
Agora Chon diz a ele por e-mail que tem um problema aqui em casa mesmo.
Encaminhou o vídeo não para chatear Ben (ele odeia chatear Ben), mas Ben precisa saber que tem uma merda grande acontecendo aqui.
Pessoas sendo transformadas em mulas sem cabeça.


26

A cabeça sem corpo de Ben
flutua no éter.
Skype.
Fundo borrado atrás do foco em seu rosto.
Cabelos castanhos despenteados.
Olhos castanhos.
Os lábios ligeiramente fora de sincronia, um delay de fragmentos de segundo
quando ele diz:
— Certo, estou indo para casa.


27

O. está feliz por Ben estar voltando.
Ben, sua outra base de sustentação
Os dois homens — Ben e Chon —
que significam alguma coisa em sua vida.
Os dois únicos que já significaram.


28

Ben é madeira quente, Chon é metal frio
Ben é carinhoso, Chon, indiferente
Ben faz amor, Chon faz sexo.
Ela ama os dois.
O que fazer, o que fazer?


29

Quando se levanta naquela manhã (certo, naquela tarde), O. olha pela janela e vê uma mulher alta de cabelos prateados curtos entrar em um BMW e sair da casa de O.
— Quem era? — pergunta O. a Rupa quando entra na cozinha para procurar os cereais Cocoa Puffs que Rupa provavelmente jogou fora. (O. rouba a lista de compras que Rupa dá a María e acrescenta itens como Cocoa Puffs, Lucky Charms, Hostess CupCakes, gel lubrificante que aquece e biscoitos Jimmy Dean. Mas então Rupa revista a despensa e joga essas coisas fora, com exceção do gel, que O. leva para seu quarto
assim que María chega com as compras.)
— É Eleanor, minha conselheira pessoal — responde Rupa. — Ela é maravilhosa.
— Sua…
— Conselheira pessoal.
Isso é simplesmente BDPSV — Bom Demais Para Ser Verdade. Isso realmente deixa O. feliz. Sua pele fica arrepiada quando pergunta:
— O que exatamente uma conselheira pessoal faz, mãe?
Como ela imaginava, Rupa se livrou dos Puffs, então O. tem que se resignar aos Frosted Mini-Wheats, depois vasculha a geladeira em busca de leite de verdade, não aquela merda desnatada que a mãe insiste em estocar quando não está evitando por completo os laticínios aparentemente, ela está nessa fase agora, então O. despeja o cereal em uma tigela e o come seco, pegando com a mão, uma pequena vingança.
— Bem, Eleanor acha que eu mesma tenho jeito para conselheira pessoal —
responde Rupa, colocando algumas flores em um vaso alto e fino. — Então ela vai me ajudar a concretizar esse potencial.
A potencial concretização desse potencial deixa O. ainda mais ligada.
— Então sua conselheira pessoal está aconselhando você a ser uma conselheira pessoal.
Então é possível aconselhar as pessoas a serem conselheiras pessoais. O. quase sai em disparada pela porta, porque mal pode esperar para relatar essa masturbação
coletiva de aconselhamento a Ben (Ben está voltando!) e a Chon.
Rupa ignora a pergunta.
— Ela é realmente sensacional.
— O que aconteceu com aquela história de produtos para a pele?
— Superficial, não acha? — Rupa observa o arranjo de flores e sorri satisfeita consigo mesma. Então tem uma revelação. — Querida! Você também podia estudar para ser conselheira pessoal! Então poderíamos ser mãe e filha conselheiras pessoais!
— Mas aí você teria que assumir que tem uma filha com mais de 10 anos — diz O., jogando Mini-Wheats na boca.
Rupa a observa com o que O. imagina que a mãe pretenda que seja discernimento de conselheira pessoal.
— Claro que você teria que dar um jeito nesse cabelo — diz Rupa. — E na… “body art”.
— Talvez eu devesse começar como “animadora de torcida pessoal”.
Rá.


30

Chon senta-se na cadeira de couro preto e acompanha a posse do novo presidente dos Estados Unidos.
Que estende a mão ao mundo muçulmano.
Chon entende disso — ele também já estendeu a mão ao mundo muçulmano algumas vezes.
É bom que Ben esteja voltando. O novo presidente concorda. Ele está dizendo aos milhares na plateia e aos milhões que assistem pela televisão que a farra terminou, a orgia entrou em um hiato indefinido, o Terceiro Mundo está mais perto do que você imagina, tanto em tempo quanto em espaço.
Recessão.
Depressão.
Repressão.
Qualquer que seja a palavra que você use, há um bolo menor a fatiar e as facas foram sacadas. (Ver Vídeo.) Reduções, cortes, o mercado se ajustando. Empresas se tornando mais eficientes, e o Cartel de Baja está na linha de frente (uau).
— Como acha que devemos responder? — pergunta Ben pelo Skype.
— Estendendo a mão ao mundo mexicano.
— Violência não é necessariamente a resposta — diz Ben.
E não necessariamente não é resposta, pensa Chon.
Esse estado de espírito violento.
Esse meu estado de espírito vil e lento.
Enquanto ele acompanha o velho presidente — também conhecido como Fantoche de Meia — acenar e entrar no helicóptero.
Da última vez que alguém tentou forçar a barra com Ben e Chonny’s, foi uma gangue de caras de bicicleta. Os garotos pegaram um dos vendedores a varejo deles e o espancaram até a morte com uma chave de roda. O recado a ser dado era que Ben e Chon não podiam mais vender na área da grande San Diego.
Ben, claro, estava fora fazendo o bem em algum lugar, então foi assim que Chon cuidou disso.


No comments:

Post a Comment

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...